• Ana Évora

A importância de uma alimentação saudável para as crianças.


Como as mudanças ambientais ocasionadas nas últimas décadas podem intervir  na saúde das crianças?


Nas últimas décadas o meio ambiente e os hábitos alimentares sofreram mudanças.  A poluição do meio ambiente por agentes químicos e o consumo de alimentos industrializados aumentaram consideravelmente. Estudos relacionam estas modificações ambientais e alimentares com o aumento de doenças como  asma, câncer, com o aumento de distúrbios neurológicos e comportamentais e com a maior prevalência de malformações congênitas.

As crianças  são  extremamente vulneráveis a todas essas mudanças. O organismo da criança necessita de  mais água, alimentos e respira  maior quantidade de ar por unidade de peso corporal. Além disso,  sua  capacidade de destoxificar alguns agentes químicos é menor. Em vista disso, o cuidado com  a alimentação e com o meio em que a criança vive é  fundamental para  evitar o desenvolvimento de doenças.

Seguem  alguns exemplos de contaminantes e suas consequências para a saúde das crianças: Chumbo A contaminação pode ocorrer pela canalização,  fertilizantes do solo, alimentos enlatados, utensílios e panelas (chumbo na cerâmica e na tinta), tintas utilizadas em embalagens plásticas, ossos de animais, tinturas de cabelo, lápis,

Consequências da contaminação:  apatia, infecções respiratórias, anemia, baixos escores de QI, dificuldades de expressão verbal,  autismo, distúrbios de atenção e  comportamentais.


Mercúrio O mercúrio está precipitado em rios e oceanos e a contaminação por este metal pode ocorrer pelo consumo de filé de atum, arenque e cação, além do peixe espada, cavala e tubarão. O mercúrio está presente em fungicidas e inseticidas, lodo de esgoto para fertilização, lâmpadas fluorescentes, interruptores, alguns termômetros, amálgamas dentárias e vacinas.

Consequências da contaminação O mercúrio é toxico para o sistema nervoso em desenvolvimento podendo causar impactos na inteligência, desempenho reduzido nas áreas de linguagem, atenção e memória.


Pesticidas Os pesticidas podem causar, por exemplo, alterações nas  conexões neuronais  e ocasionar  distúrbios neurocomportamentais. Além disso, podem causar alterações no sistema reprodutor, no fígado, nos rins e no  coração.


Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP) Os HAP são liberados a partir da queima do carvão, madeira, lixo, tabaco, derivados de petróleo e alimentos. Consequências da contaminação: Os Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos são contaminantes de água, planta, solo e animais e seu excesso pode ocasionar alterações hepáticas, alterações tireoidianas e câncer.


Aditivos alimentares 

Os aditivos alimentares como os corantes, conservantes, estimulantes, adoçantes, realçadores de sabor são amplamente utilizados nos alimentos industrializados. Estes aditivos podem acarretar danos à saúde como: urticária, asma, câncer, alergias, distúrbios tireoidianos e neurológicos.


SILVA, Carlos A. M e FRUCHTENGARTEN Ligia. Riscos químicos ambientais à saúde da criança. J.Pediatr; (5supl): S207-211, 2005 HAMILTON, P B. Toxic Overload, 2005 POLONIO, MLT; PERES, F. Consumo de aditivos alimentares e efeitos à saúde: desafios para a saúde brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v 25 n.8, pg 1653-1666, ago 2009.

0 visualização

© Criado por MKTEFFECT